Setúbal - Recife Pernambuco - Brasil maio de 2017 Foto
Alexandre Costa

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

O que é a hanseníase?
















 Fonte: Agência Brasil http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-01-27/isolamento-de-pessoas-com-hanseniase-ficou-para-tras-mas-ainda-existe-preconceito

Para saber mais acesse o artigo: Atuação da Fisioterapia na Hanseníase no Brasil.


 http://revista.hupe.uerj.br/detalhe_artigo.asp?id=139


sábado, 26 de janeiro de 2013

Filme histórico da Fisioterapia é divulgado pela WCPT

Um filme de 60 anos veio à luz, proporcionando um registro documental do primeiro congresso da Confederação Mundial de Fisioterapia (World Confederation for Physical Therapy - WCPT)  realizado em Londres, em setembro de 1953. O filme foi descoberto por  Margot Skinne  membro do Comitê Executivo  da WCPT, no arquivo de um cinema na Nova Zelândia, ele fornece um registro vivo de um dos marcos mais importantes no desenvolvimento global da profissão.

O pronunciamento da Primeira Presidente da WCPT, Mildred Elson, está registrado no filme, dizendo: "Na fisioterapia não existem barreiras de linguagem ou de comunicação. Temos um elo comum, um interesse comum: Fisioterapia para o paciente "

Assista ao vídeo 


1st WCPT Congress (London, 1953)

Recordings from the 1st WCPT Congress

 acessando o Link: www.youtube.com / theWCPT .


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

WCPT NEWS janeiro 2013


WCPT News
WCPT.ORG
January 2013

European education congress hears how international guidelines can make a difference

Physical therapists from around the world heard about the impact that WCPT education policies are having on the development of the profession at the European Physiotherapy Education Congress, held in Vienna, Austria, in November.  Read the full article

Historic film of WCPT's first congress rediscovered

A 60-year old film has come to light, providing a documentary record of WCPT’s first ever congress held in London in September 1953. Discovered by WCPT Executive Committee member Margot Skinner in the archive of a cinema in New Zealand, it provides a vivid record of one of the most important landmarks in the global development of the profession.  Read the full article

Have the 2012 Paralympics really brought change for people with disabilities?

The London 2012 Paralympics attracted a cumulated worldwide audience of 3.4 billion people – a billion more than in Beijing 2008, and more than any other Games. But have the Games really changed attitudes to disability? Physical therapists and others involved in the Olympics believe they have: 2012 really could prove to have been a games changer.  Read the full article


Para saber mais acesse http://www.wcpt.org/node/52801


The World Confederation for Physical Therapy (WCPT) is a registered charity in the UK, no. 234307

Copyright World Confederation for Physical Therapy 2011 | Privacy | Disclaimer | Terms of use | Contact
Click here to unsubscribe

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Revirando arquivos

Revirando arquivos encontrei dois documentos que retratam a evolução da categoria profissional dos Fisioterapeutas no Brasil. O primeiro referente  a uma das pioneiras associações cientifico-culturais da Fisioterapia no Pais. O segundo documento é o Edital Nº 02/86, notificando o registro de chapa concorrente à renovação do colegiado que substituiria a primeira gestão do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional - COFFITO.



Carteira de sócio fundador da Associação Pernambucana de Fisioterapeutas - APERFISIO


Edital Nº 02/86 do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional - COFFITO notificando o registro de chapa para renovação do colegiado, cuja eleição ocorreu no dia 30/04/1986

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Entrevista com o Fisioterapeuta Geraldo Barbosa

                                              
Entrevista com o Fisioterapeuta Geraldo Barbosa, concedida com exclusividade ao Dr. Fabrício Lopes Conduta.

Para saber mais acesse o link:

http://drfabriciolopes.webnode.com.br/news/fisioterapia-por-dr-geraldo-barbosa/

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Tempo e Utopia


                                                     
    A Fisioterapia surgiu no tempo quando o homem primitivo, ao sofrer algum trauma, utilizou as mãos para massagear o local afetado buscando aliviar a dor que sentia; ou, se expôs aos raios solares e usou a água do mar, dos rios, quem sabe, dos lagos, para imersão dos membros ou do próprio corpo. Essa atitude do homem nos primórdios de sua existência na Terra permitiu o aproveitamento dos recursos físicos naturais como meio de tratamento e promoção à saúde, chegando assim aos dias atuais.

    Para Aristóteles (384-322 a.C) o tempo é: “ Presente, passado, futuro, anterioridade e posteridade”. Fixar/demarcar, portanto, uma ideia  no tempo, principalmente em período tão longínquo é um exercício especulativo; no caso, um exercício teórico de investigação baseado na Mitologia. Na cultura ocidental a tradição atribui a Esculápio  - nome latino do deus grego da medicina e da cura – a primeva utilização  e prescrição de meios físicos como processo terapêutico. Mas, o tempo passa e com ele vem o desenvolvimento das ciências, aí incluída a Fisioterapia  cujo modelo atual contempla ciência aplicada, processo terapêutico e profissão; transpondo fases intuitivas empíricas.

    No Brasil a publicação do livro do Professor Risomar da Silva Vieira (Institucionalização da Fisioterapia – Editora Universitária da UFPB. João Pessoa, 2012) trouxe registros da utilização de agentes físicos pelos primeiros habitantes do País, como tratamento, “antes mesmo da colonização portuguesa” (61/62). A evolução da Fisioterapia brasileira no quesito atividade profissional tem seu marco inicial com a fundação dos cursos, nos anos 1950 em São Paulo e Rio de Janeiro e nos anos 1960 no Recife. Muito já se escreveu e falou sobre a criação dos órgãos representativos da categoria, sendo cansativo e desnecessário, agora, repetir tais fatos históricos; cabe, entretanto, lembrar que no ano de 2012 duas expressivas lideranças, fundadoras do Sistema Autárquico Federal  COFFITO/CREFITOs deixaram a Fisioterapia enlutada. Partiram Ruy Gallart e Sonia Gusman, dois sonhadores, no melhor sentido da palavra, se entendermos que o ser humano não é somente produto do meio em que vive; ele determina os seus atos e direciona seu comportamento, “e é desse comportamento que resultam afinal os fatos sociais” (Caio Prado Jr. O que é filosofia. Abril Cultural, São Paulo 1984 – 82/83). O homem é, desse modo, autor dos fatos.

    A Fisioterapia percorreu na linha do tempo caminhos ásperos e tortuosos, chegando quase a se perder num estéril  debate em torno de significados e  conceitos, reduzidos a meras formulações verbais, como por exemplo, ser denominado “profissional de reabilitação”, ou ter permitido de forma absurda a utilização do prefixo “Ft.” - como uma máscara ou tentativa de fuga da realidade – para designar a categoria profissional pertinente. Por outro lado, conquistou espaço considerável na ciência voltada à recuperação funcional dos seres humanos; mas, sofre ainda a falta de maior reconhecimento social e busca decididamente a autonomia plena para o exercício da profissão, como a procura direta ao Fisioterapeuta, sem intermediação; ou, a obtenção do direito de prescrever medicamentos de forma independente onde for clinicamente apropriado, nos moldes do que foi recentemente aprovado no Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte).

   O estado ideal; ou, melhor dizendo: o conjunto de condições ideais em que as coisas devem se encontrar, chama-se Utopia. Um plano irrealizável? Um sonho? Foi dos sonhos dos pioneiros Fisioterapeutas brasileiros que surgiram as maiores conquistas da categoria em nossa pátria. A Utopia está na linha do horizonte, para alcançá-la temos que caminhar.