segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Novo prêmio reconhece a realização exitosa na prática colaborativa interprofissional


A Confederação Mundial de Fisioterapia (WCPT), como parte integrante das profissões incluídas na Aliança Mundial de Profissões de Saúde (WHPA), está lançando um novo prêmio para reconhecer a realização exitosa na prática colaborativa interprofissional. A aliança, composta pelos organismos mundiais dos dentistas, enfermeiros, farmacêuticos e médicos, bem como de fisioterapeutas, está pedindo indicações de equipes interprofissionais que melhoraram a saúde dos pacientes e promoveram uma abordagem criativa para a saúde da população.


"A Aliança Mundial  é em si um
bom exemplo dos benefícios da colaboração entre profissionais, enquanto  prática colaborativa é um assunto muito perto do coração da WCPT", disse Brenda Myers, secretária-geral da WCPT. "Nós sabemos que os profissionais de saúde que trabalham em conjunto de forma eficaz em todo o mundo, promovem melhores serviços de saúde, e é totalmente apropriado que, juntos,  reconheçamos as melhores práticas neste campo vital."

 Em maio de 2013, a World Health Professions Alliance (WHPA) lançou a sua declaração sobre prática colaborativa interprofissional, afirmando que iria "promover a prática colaborativa interprofissional através da advocacia, por exemplo, e através da promoção de mudanças, sistemas legislativos e de educação em saúde".

O novo prêmio será concedido a cada ano. O prazo para a apresentação de candidaturas para o prêmio deste ano é 01 março e os vencedores serão anunciados em maio de 2015.

As candidaturas  devem ser aprovadas por pelo menos uma associação profissional nacional associada ao WHPA (no caso da Fisioterapia, uma organização membro da WCPT). Os formulários de candidatura podem ser encontrados no site da  Mundial Professions Alliance Health  http://www.wcpt.org/collaborations-activities.

A indicação das equipes devem incluir pelo menos três diferentes profissões de saúde: duas delas devem incluir dentistas, médicos, enfermeiros, farmacêuticos ou fisioterapeutas.

As equipes que trabalham em todas as configurações de atenção à saúde, no âmbito privado, público,  comunitário ou hospital de base, são elegíveis.

"Os juízes estarão à procura de abordagens inovadoras e resultados clínicos, econômicos e humanísticos positivos", disse Brenda Myers. "A validade dos resultados para os pacientes devem ser apoiadas por provas, se possível; o ideal é que sejam publicados em um jornal ou revista científica indexada. A sustentabilidade da iniciativa também será levada em conta. "


Fonte: WCPT http://www.wcpt.org/news/NewWHPAaward-Feb15

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Revista NovaFisio primeira edição de 2015


A primeira edição da Revista NovaFisio de 2015 já foi publicada. 
Lembramos que a partir deste ano a revista  sera exclusivamente digital.

Texto abaixo recebido via e-mail do Editor da Revista.

EDIÇÃO 100 JAN/FEV 2015
LEIA NESTA EDIÇÃO:
PÁG. 08 Cartas e Frases. 
PÁG. 10 Foco da fisioterapia em UTI Do real ao ideal. 
PÁG. 12 Qual é o papel dos Conselhos de Fisioterapia? 
PÁG. 14 Entrevista com a atriz Mônica Torres 
PÁG. 18 SUS 
PÁG. 20 Me formei em Fisioterapia, e agora? 
PÁG. 22 O bom filho a casa torna!!! 
PÁG. 24 O futuro da fisioterapia ou a fisioterapia do futuro? 
PÁG. 26 Tapping no supermercado 
PÁG. 28 Ano novo, vida velha? 
PÁG. 30 Fisioterapia e acupuntura: aspectos legais 
PÁG. 32 O valor da hora de um Fisioterapeuta 
PÁG. 34 Eu e minhas circunstâncias 
PÁG. 36 Classifisio
PÁG. 40 Direto do Site 

PÁG. 44 Contos da Tininha 
PÁG. 48 FisioPerfil com Dr. Naércio Neto 
PÁG. 50 Lançamentos da Literatura em Fisioterapia.
ARTIGOS CIENTÍFICOS VERSÃO DOS ASSINANTES:
PÁG. 53 ANAIS DO I CONGRESSO BRASILEIRO MULTIDISCIPLINAR DE ELETROTERAPIA.
PÁG. 80 ANÁLISE DOS EFEITOS DA TERAPIA MANUAL TORÁCICA NA CERVICALGIA DE ORIGEM MECÂNICA: UMA REVISÃO DE LITERATURA.
PÁG. 89 A EFICÁCIA DA HIDROTERAPIA NA REABILITAÇÃO DE PACIENTE COM ENTORSE DE TORNOZELO POR INVERSÃO GRAU II: ESTUDO DE CASO.
PÁG. 96 TRATAMENTO DA STC UTILIZANDO A TÉCNICA DE MOBILIZAÇÃO NEURAL-REVISÃO DE LITERATURA.
PÁG. 101 SÍNDROME DE DOWN DO NASCIMENTO AOS PRIMEIROS PASSOS.
PÁG. 104 EFEITOS DA EQUOTERAPIA EM CRIANÇAS COM DISTÚRBIOS AUTISTAS: REVISÃO DE LITERATURA.
PÁG. 109 QUALIDADE DE VIDA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ASMÁTICO.
PÁG. 115 APLICAÇÃO DE RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DECORRENTE DO PUERPÉRIO.
PÁG. 122 O CENÁRIO SOCIAL DA FISIOTERAPIA EM SENADOR POMPEU – CE.
Acesse o Link

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Declaração de política da Confederação Mundial de Fisioterapia sobre mutilação genital feminina

Declaração de Política

A Confederação Mundial de Fisioterapia (WCPT) se opõe a todas as formas de mutilação genital feminina (MGF). Mutilação genital é uma violação fundamental das meninas e dos direitos das mulheres, incluindo o direito à vida, o direito à integridade física e o direito à saúde. Na ausência de qualquer necessidade médica, a mutilação genital submete meninas e mulheres a riscos de saúde e tem consequências potencialmente fatais. Além disso, ela viola a Convenção da ONU sobre os Direitos da Criança e viola o princípio ético fundamental de "não fazer mal". [1] [2]. A  WCPT defende que o Fisioterapeuta deve estar ciente de que esta prática tem graves consequências para a saúde física e mental . 


Mutilação genital feminina  (MGF), muitas vezes referida como "circuncisão feminina", compreende todos os procedimentos que envolvam a remoção parcial ou total dos órgãos genitais femininos externos ou outras lesões nos órgãos genitais femininos por razões não terapêuticas, culturais, religiosas ou outras. A WCPT reconhece que a mudança nesta prática pode exigir tempo e grande sensibilidade às normas culturalmente aceitas, mas que devem ser feitos todos os esforços para proteger as meninas e as mulheres da  MGF e para educar e modificar o comportamento, no sentido de concorrer para a sua eliminação.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), em conjunto com uma ampla gama de organizações internacionais, incluindo a WCPT, mantêm  a visão de que não há justificativa para a MGF. [1]

Reconhece a WCPT o importante papel que a Organização Internacional de Fisioterapeutas em Saúde Feminina tem desempenhado na sensibilização para esta questão; desse modo, a WCPT dá o seu total apoio à  declaração de posição sobre a MGF. [3]

Além disso, a WCPT apoia:

    - a estratégia global para acabar com os prestadores de cuidados de saúde que realizam a mutilação genital feminina [4];

 
    - a declaração conjunta política da OMS / UNICEF / UNFPA sobre a MGF, que promove o desenvolvimento de políticas e ações a nível global, regional e nacional;

 
    - a Declaração do Cairo para a Eliminação da Mutilação Genital Feminina [5];

 
    - a Declaração da Associação Médica Mundial sobre a MGF e sua resolução sobre a violência contra mulheres e crianças [6] [7]
da Confederação Internacional de Parteiras Declaração sobre a Mutilação Genital Feminina [8] e a 'FGM Campanha Pare' [9]

A WCPT insta todas as organizações membros a unir esforços nacionais e internacionais, para se opor e eliminar essa prática acreditando que só através da colaboração internacional será possível envidar esforços para eliminar a MGF


Referências:
  1. UNAIDS, UNDP, UNFPA, UNHCR, UNICEF, UNIFEM, et al. Global strategy to stop health-care providers from performing female genital mutilation. Geneva, Switzerland: WHO; 2010.  (Access date 23rd November 2010).
  2. United Nations. Convention on the Rights of the Child. New York, USA: United Nations; 1989.  (Access date 17th November 2010).
  3. International Organisation of Physical Therapists in Women’s Health. Position Statement on Female Genital Mutilation.: IOPTWH; 2006.  (Access date 23rd November 2010).
  4. World Health Organization. Global strategy to stop health-care providers from performing female genital mutilation. UNAIDS, UNDP, UNFPA, UNHCR, UNICEF, UNIFEM, WHO, FIGO, ICN, IOM, MWIA, WCPT, WMA. Geneva, Switzerland: WHO; 2010.  (Access date 23rd November 2010).
  5. The National Council for Childhood and Motherhood. Cairo Declaration for the Elimination of Female Genital Mutilation: Within the framework of Stop FGM Campaign - Afro-Arab expert consultation legal tools for the prevention of female genital mutilation. Cairo, Egypt: The National Council for Childhood and Motherhood; 2003.  (Access date 23rd November 2010).
  6. World Medical Association. World Medical Association (WMA) Resolution on Violence against Women and Girls Adopted by the WMA General Assembly, Vancouver, Canada, October 2010. Ferney-Voltaire, France: WMA; 2010.  (Access date 23rd November 2010).
  7. World Medical Association. WMA Statement on Female Genital Mutilation. Ferney-Voltaire, France: WMA; 2005.  (Access date 23rd November 2010).
  8. International Confederation for Midwives. Position Statement on Female Genital Mutilation. the Hague, the Netherlands: ICM; 2005.  (Access date 23rd November 2010).
  9. International campaign for the abandonment of female genital mutilation/cutting. Stop FGM Campaign home page. Stop FGM Campaign; 2010 (23rd November 2010); Available from: http://www.stopfgmc.org/
     
    Fonte: http://www.wcpt.org/policy/ps-FGM
Assista o vídeo da Organização Mundial de Saúde  -  via YouTube


quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Projeto de Lei do Piso Salarial dos Fisioterapeutas é arquivado.



Logo C?mara dos Deputados

Acompanhamento de Proposições
Brasília, domingo, 01 de fevereiro de 2015
 
Prezado(a) Geraldo José Rodrigues Barbosa,

Informamos que as proposições abaixo sofreram movimentações.

 

 
 
  • PL-05979/2009 - Acrescenta dispositivo à Lei nº 8.856, de 1º de março de 1.994, a fim de dispor sobre o piso salarial dos profissionais fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais.
 - 31/01/2015 Arquivado nos termos do Artigo 105 do Regimento Interno da Câmara dos Deputados.

 
Saiba mais sobre o Art. 105


"Art. 105. Finda a legislatura, arquivar-se-ão todas as proposições que no seu decurso tenham sido submetidas à deliberação da Câmara e ainda se encontrem em tramitação, bem como as que abram crédito suplementar, com pareceres ou sem eles, salvo as:
I - com pareceres favoráveis de todas as Comissões;
II - já aprovadas em turno único, em primeiro ou segundo turno;
III - que tenham tramitado pelo Senado, ou dele originárias;
IV - de iniciativa popular;
V - de iniciativa de outro Poder ou do Procurador-Geral da República.
Parágrafo único. A proposição poderá ser desarquivada mediante requerimento do Autor, ou Autores, dentro dos primeiros cento e oitenta dias da primeira sessão legislativa ordinária da legislatura subsequente, retomando a tramitação desde o estágio em que se encontrava."






      

domingo, 25 de janeiro de 2015