Setúbal - Recife Pernambuco - Brasil maio de 2017 Foto
Alexandre Costa

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

A vulgarização da Fisioterapia



Espantosa, surpreendente a forma como a Fisioterapia (processo terapêutico) vem sendo divulgada num dos bairros mais populosos da Cidade do Recife, o de Casa Amarela, mais precisamente em frente ao mercado público municipal e nas ruas adjacentes. É de pasmar! Sabem como? Por meio de folhetos volantes distribuídos entre os transeuntes que se dirigem à feira, ao mercado ou às casas de comércio local. E, mais absurdo ainda, utilizando também as prosaicas e triviais " anuncicletas", explicando melhor: bicicletas dotadas de serviço de som para fins publicitários. Imaginem, leitores e leitoras deste Blog, tais monstrengos suburbanos,  propagando em tom superior ao suportável, a oferta de sessões de Pilates e de RPG. Pessoa alguma me contou o ocorrido, os fatos descritos foram por mim presenciados.

    Uma profissão herdeira do legado do mitológico deus Esculápio, não pode ser tratada dessa maneira, desconsiderando todas conquistas do passado. Olhando pra trás, para a história da Fisioterapia, tomamos consciência de como se avançou gloriosamente. Entretanto, tais práticas enxovalham a profissão e por consequência aqueles que honradamente a exercem.

    O Código de Ética ainda em vigor, aprovado pela Resolução  COFFITO 10 de 3 de julho de 1978, preconiza no Capítulo II - Do exercício profissional -  Art. 8º (É proibido ao Fisioterapeuta e ao Terapeuta Ocupacional, nas suas respectivas área de atuação) Inciso XVI: " - angariar ou captar serviço ou cliente, com ou sem a intervenção de terceiro, utilizando recurso incompatível com a dignidade da profissão ou que implique em concorrência desleal". Diante de tais fatos a transcrição desse texto parece falta de sintonia com a realidade. 

    De tudo isso surgem duas indagações; a primeira remete ao ensino da Fisioterapia nas universidades, com a pergunta que não quer calar na garganta: - o ensino/aprendizado da ética profissional tem sido efetivo? A segunda é referente ao zelo que o  Fisioterapeuta deve ter com a  responsabilidade social aos seus cuidados, ou seja:  "exercer sua atividade com zelo, probidade e decoro e obedecer aos preceitos da ética profissional, da moral, do civismo e das leis em vigor, preservando a honra, o prestígio e as tradições de sua profissão" (Art. 7º Inciso I do Código de Ética Profissional). Será o caso de palavras jogadas ao vento?

2 comentários:

  1. Meu Deus do céu! Onde estarão os limites éticos? Gostaria de entender a mentalidade desses profissionais. Temos um CREFITO e COFFITO completamente ausente e distante da nossa realidade, simplesmente negligenciando as atuais condições da nossa saúde, com os médicos prescrevendo o que bem entendem (e não entendem) sobre fisioterapia, os convênios pagando R$6,00 a hora do profissional. Mas o FISIOTERAPEUTA precisa se valorizar. Cada um precisa encontrar o seu nicho de trabalho e a maneira mais digna, ética e honesta de ganhar o seu $$. Não será banalizando todo o investimento (caríssimo) de universidade, livros e cursos durante anos que teremos sucesso na nossa profissão.

    ResponderExcluir
  2. Fico indignada com tantos absurdos. Em uma cidade vizinha a minha, tem fisioterapia sendo oferecida por 20 reais mensais, podendo o paciente comparecer todos os dias se assim pretender. Há também quem ofereça sessões a R$1,99... Um verdadeiro absurdo!
    Depois reclamam que fisioterapeuta ganha mal! Estamos deixando nossa profissão ser desvalorizada e vulgarizada. E apesar de estarmos aqui inconformados, acredito que nenhum de nós esteja efetivamente fazendo algo para mudar a situação. Mas deveríamos!

    ResponderExcluir